Seleção de leveduras eleva rendimento fermentativo na Junco Novo

Junco Novo01

Com dificuldades para a realização de expansões e novos investimentos, unidades produtoras de açúcar, etanol e energia têm adotado soluções que estão proporcionando a otimização de diversas etapas do processo de produção industrial.

espaçoPara o mercado fornecedor de equipamentos e de serviços, o desenvolvimento de alternativas tecnológicas que minimizam perdas na indústria e eleva a eficiência operacional, tem sido também um “bom negócio” para a ampliação dos ganhos em tempos de “vacas magras”.

espaçoO setor sucroenergético brasileiro já tem inclusive diversos cases de sucesso que possibilitaram o aumento do faturamento sem a necessidade de realização de altos investimentos.

espaçoExemplo disso é a adoção de vários procedimentos no processo de fermentação etanólica da Usina Junco Novo, de Capela, SE, que possibilitou a elevação do rendimento fermentativo, de 85% para 92%, segundo Teresa Cristina Vieira Viana, diretora da MSBIO, de Maceió, AL, que presta consultoria para essa unidade sergipana.

espaçoHouve também uma elevação significativa no índice de eficiência na recuperação de ART (ART/ART), de 68% para 85%, segundo Francisco Muniz da Motta, diretor administrativo da usina. Para ele, a seleção de leveduras de acordo com as condições regionais do processo de produção – tipo do solo, cana utilizada, quantidade de impurezas, etc – é um dos principais fatores para a obtenção de resultados satisfatórios.

espaçoquimico junco novoA performance dessas leveduras é muito boa, principalmente se forem considerados diversos fatores que envolvem a operação da unidade, avalia Marcos Jorge Correa do Nascimento, químico industrial da Junco Novo, que fabrica etanol e cachaça. “A multiplicação delas é rápida”, observa.

espaçoCom corte manual em toda a área de cana, a usina não possui sistema de lavagem de cana, o que contribui para o aumento da quantidade de impurezas minerais no processo. Isto, além da falta de refrigeração adequada nas dornas, acaba interferindo na fermentação

Leia matéria completa na edição 266 do JornalCana

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *